Criar, com açúcar confeitar,

 

Desejar, com açúcar acabar,

 

A obra acabada de começar…

 

 

 

A criação de obras de arte em açúcar recorre a um vasto conjunto de sofisticadas técnicas, trabalhadas e desenvolvidas ao longo dos anos pelos mais talentosos e criativos artesãos deste doce universo. Sempre em constante inovação este é um fascinante mundo onde o conhecimento, imaginação, talento, arte e sensibilidade se cruzam e permitem dar o corpo e a forma à obra criada. Se algum dia se questionou “Como é que fizeram isto?” este é o espaço que decidimos dedicar a desvendar um pouco do que está por detrás da “cortina” e partilhar aqui algumas das técnicas usadas.

 

SugarCraft - designação que quando utilizada duma forma genérica pode abarcar todos os aspectos relacionados com a decoração de bolos enquanto que na sua interpretação mais restrita significa Arte em Açúcar. 

 

Pasta Portuguesa– é uma variante da pasta de açúcar americana e, totalmente comestível. A sua base é constituída essencialmente por açúcar e glucose e é normalmente aromatizada com essência de limão, café, chocolate, entre outros, o que lhe confere um sabor único que quando combinado com a massa de bolo é irresistível ao paladar. Graças à sua maleabilidade e durabilidade é utilizada quer na cobertura de bolos quer na modelagem dos mais diversos elementos decorativos, como figuras, animais, e tudo aquilo que o nosso imaginário deseje construir com ela (dentro do possível). Para que possamos alcançar mais horizontes doces, podemos utilizar também outro tipo de pastas, tais como a Pasta de pastilhagem, Pasta de flores, Pasta Elástica, etc.

 

Creme de Manteiga - é um dos cremes mais conhecidos e utilizados em todo o mundo. Apresenta uma grande versatilidade podendo ser usado na cobertura de bolos, dos famosos cupcakes e na realização de padrões de bordadura, de flores e de outros elementos decorativos. Embora os resultados dos trabalhos realizados com creme de manteiga sejam absolutamente maravilhosos, na cultura Portuguesa, ainda não são totalmente aceites, sendo mais usado para pequenos pormenores.

 

Glacê Real – As decorações criadas com este ingrediente apresentam uma grande durabilidade, bem como um consistência bastante sólida e compacta. Graças a estas características o glacê real pode ser usado para criar antecipadamente alguns elementos decorativos de um bolo. Contrariamente ao creme de manteiga, o glacê real não tem qualquer tipo de gordura, sendo inclusivamente necessário evitar que qualquer utensílio de trabalho usado na sua manipulação, tenha qualquer tipo de contacto com substâncias com gordura. Este sim, já é um elemento mais aceite na nossa cultura.